Ciclotrama 82 (intersection), 2017

276cm x 400cm x 660cm

Two 18mm diameter nylon ropes, one yellow and one red and 3.200 golden nails

Rijswijk Museum, Netherlands.
Site-Specific Installation for the group show “Rijswijk Textile Biennial”

curated by Anne Kloosterboer

Photo: Janaina Mello Landini

2017

Rijswijk Textile Biennial

Texto: Frank van der Ploeg

2017

Rijswijk Textile Biennial

Text: Frank van der Ploeg

Uma Ciclotrama deve ser o pesadelo dos fazedores de cordas: os fios que ele torceu cuidadosamente, desenrolados fora de controle em todas as direções.

Dê a Janaina Mello Landini um bom rolo longo de corda e milhares de pregos, e ela libertará a corda de sua unidade torcida para abrir caminho para a sua teia.

Uma corda é composta de fios que ganharam resistência à tração, o que é benéfico para vários propósitos. Mas Janaina Mello Landini vira esse jogo. Ela usa o fato de que se algo é enrolado também é algo que pode ser desenrolado. .

Divisão de raízes

Ciclotrama é uma palavra inventada por Janaina Mello Landini. A palavra raiz 'ciclo' também pode se referir a sistemas binários.

Um desenho de uma árvore genealógica que ilustra graficamente os relacionamentos familiares é um sistema desse tipo, começando pelos ancestrais primários.

Nas regiões de língua ibérica / ibero-americana (como o Brasil, onde o português é falado), as crianças recebem o sobrenome da mãe e do pai. Esses nomes duplos revelam as linhas anteriores na linhagem do indivíduo. A segunda metade da palavra, 'trama', vem do latim que significa urdidura, tecelagem. Assim como uma árvore genealógica traça a linhagem de uma criança até seus ancestrais, as cordas de Janaina Mello Landini estão se desenrolando na direção oposta: do ancestral para a prole. Por fim, nasce uma rede de fios abertos que se prendem nas paredes, planos, às vezes em torno de objetos. Algumas das ramificações têm total liberdade de movimento; eles oscilam frouxamente e livremente no espaço.

 

O Museu Rijswijk agora tem seu próprio Ciclotrama 82 (interseção).

Na parte antiga do edifício, os tentáculos ocuparam o espaço, pouco a pouco os fios tomam posse das paredes e tetos. Duas cordas se cruzam e começam a se  "desenrolar" no ar. O resultado pode evocar associações com redes neurais, sistemas radiculares ou a craquelure de pinturas antigas.

Nas mãos de Janaina Mello Landini, suas expansões controladas se apegam ao princípio matemático do número binário. Embora isso possa levar a um padrão estático de ramos repetitivos e iguais, cada Ciclotrama é tão teimoso quanto a própria natureza.

A Ciclotrama must be a rope-maker’s nightmare: the strands he has carefully twisted spinning out of control in all directions. 

Give Janaina Mello Landini a good long reel of rope and thousands of nails, and she will liberate the rope from its twisted unity to make way for her web.

A rope is compounded yarns that have gained tensile strength, which is beneficial for multiple purposes. But Janaina Mello Landini turns it around. She uses the fact that something rolled up is also something that can be unrolled.

Splitting roots

Ciclotrama is a word Janaina Mello Landini concocted. The root word ‘cycle’ could also refer to binary systems.

A drawing of a family tree that graphically illustrates the family relationships is such a system, starting with the primary ancestors.

In the Iberian/Iberian-American language regions (such as Brazil where Portuguese is spoken), children are given the family names of both the mother and father. These double-barrelled names reveal the previous lines in the individual’s lineage. The second half of the word, ‘trama,’ comes from the Latin meaning warp, weaving. Just as a family tree traces a child’s line back to his/her ancestors, the ropes of Janaina Mello Landini’s making untwist in the opposite direction: from ancestor to offspring. Ultimately, a network of open ends is born. These find their way on walls, planes, sometimes around objects.

 

Museum Rijswijk now has its own Ciclotrama 82 (intersection).

 

In the old part of the building, the tentacles have taken over the space, bit by bit, the threads taking possession of the walls and ceilings. Two ropes intersect and start to ‘unrope’ in mid-air. The result may evoke associations with neural networks, root systems, or the craquelure of antique paintings.

In Janaina Mello Landini’s hands, her controlled sprawls cling onto the mathematic principle of the binary number. At the same time, this act could lead to a static pattern of repetitive and equal branches, each Ciclotramais as headstrong as nature itself.

© 2020 / MelloLandini